Por que você deve usar o DDA na sua empresa?

Por que você deveria usar o DDA para pagar as contas da sua empresa

A ideia de escrever este artigo ocorreu depois que um cliente, que tem um grande volume de boletos diariamente, me consultou sobre a dificuldade na leitura do código de barras para incluir os boletos no sistema do banco.

Dentro da sopa de letrinhas existentes no sistema bancário nacional existe o DDA, o Débito Direto Autorizado, que foi desenvolvido e implementado pela FEBRABAN no ano de 2009.

O rótulo Débito Direto Autorizado até parece que o pagamento já está previamente autorizado, sem que você tenha o direito de escolher ou não pagá-lo, mas não é nada disso.

O DDA é a apresentação eletrônica dos boletos, ou seja, ele te mostra em um só lugar todos os boletos de cobrança no seu CPF ou CNPJ. 

Isso quer dizer que quando uma empresa emitir um boleto para o CPF ou CPNJ o mesmo ficará disponível automaticamente no sistema do banco, aguardando apenas que você confira e autorize o pagamento.

Quais são as vantagens de usar o DDA?

  • Ganho de produtividade e agilidade do seu funcionário para executar a tarefa de realizar os pagamentos.
  • Maior controle do financeiro, pois o processo é bem automatizado. 
  • Empresas como a do meu cliente que fazem um grande número de compras durante o mês e por isso recebem boletos quase que diariamente, tem apenas que fazer o controle do que está lá para ser pago e não mais ter que digitar boleto por boleto
  • Não precisa mais ficar tentando ler os códigos de barras não legíveis de boletos mal impressos nas impressoras jato de tinta, com as cabeças de impressão sujas e desalinhadas. 
  • Redução de custos com papel, porque não tem necessidade alguma de imprimir o boleto. 

Para que tipo de pagamento o DDA não serve?

 O DDA não serve para pagamento de contas de consumo, como água, energia elétrica, telefonia e gás, nem para pagamento de DARFs de impostos federais, estaduais ou municipais. Nem mesmo IPTU e IPVA entram nesse sistema. Serve apenas para boletos.

Qual a diferença entre o DDA e o débito automático?

É importante observar a diferença entre o DDA e o débito automático. 

No DDA, você precisa autorizar cada pagamento. No débito automático, você só precisa autorizar uma vez para que o pagamento ocorra automaticamente, todo mês.

Você pode incluir os pagamentos de contas de consumo no débito automático para facilitar e agilizar esses pagamentos. Por quê não?

Para usar o DDA na prática você precisa seguir os seguintes passos:

1) Habilitar o serviço junto ao banco: isso pode ser feito facilmente, através do internet banking, mas aqueles que preferirem, podem solicitar ao gerente da conta;

2) Verificar possíveis custos: de forma geral os bancos não cobram taxas para este serviço, mas vale a pena consultar só por desencargo de consciência;

3) Controlar a entrada de boletos: depois que você receber a notificação do banco de que o serviço está em operação na sua conta, comece a acompanhar os boletos que aparecem no DDA, a fim de controlar o que realmente deve ser pago e evitar possíveis fraudes (aqueles boletos “se colar, colou!”). 

4) Se você tem um sistema de gestão (ERP) ele pode ajudar bastante neste controle, mas a velha e boa planilha do Excel também tem sua valia;

5) Autorizar os pagamentos: depois que você já tem os boletos controlados, basta fazer a autorização de pagamento, fazendo o agendamento do mesmo, ajustando ao seu fluxo de caixa.

Vale ressaltar que se você possui contas em bancos diferentes, o correto é eleger uma como sendo a principal para movimentações financeiras e ativar apenas nela o DDA, assim fica mais fácil a gestão e o controle.

Espero que este artigo ajude a entender mais este recurso que a TECNOLOGIA nos proporciona e em sua gestão de pagamentos.

Abraços!

alexandre carvalho goncalves 200x200 1

 

Alexandre Gonçalves .´.

[email protected]

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *